Blogue

Publicado a 13 Feb. 2017, em Colaboração dos leitores

Visita às Camélias e Workshop de Chá

Um dia cinzento e chuvoso, também em Sintra. Mas as camélias plantadas este ano com o apoio da Associção dos Amigos de Monserrate (AAM) lá estavam para quem as quisesse ver. E algumas já com flores, camélias raras, híbridas e com perfume escolhidas pela sua originalidade e raras em Sintra.

O Tiago (11 anos) apanhou do chão uma quantidade de flores das cameleiras antigas e decorou uma das mesas da sala das colunas onde tivemos um workshop sobre chás.

ler mais
Publicado a 12 Dec. 2016, em Livros Recomendados

"Ottoman chic" de Serdar Gülgün

As referências às influências orientais na arte e na arquitectura europeias, no que a Portugal respeita, tendem normalmente a falar em árabe ou neo-árabe, esquecendo que boa parte dessas influências a nível europeu, nos dois séculos precedentes, eram igualmente turcas ou otomanas, o que dá no mesmo, ou mogóis. O fascínio mútuo que a partir do séc. XVIII, mas sobretudo no séc.
ler mais
Publicado a 12 Dec. 2016, em Jardim

Notícias do Jardim

Existem duas boas notícias sobre os Jardins de Monserrate. Em primeiro lugar as camélias que plantámos o ano passado já estão em flor e têm um suave perfume agradável, algo que não é vulgar pois a maior parte das camélias não tem odor. Na próxima actividade em Monserrate vamos poder visitar estas raridades.

ler mais
Publicado a 12 Dec. 2016, em Actualidade

Parabéns à PSML

A Parque de Sintra Monte da Lua foi mais uma vez distinguida com um 'World Travel Award’, um dos mais importantes prémios internacionais do sector do Turismo.
A AAM não quer deixar de o assinalar e aqui deixa ao seu Presidente e a toda a equipa da PSML  os nossos parabéns por uma distinção que ajuda a promover em todo o mundo Monserrate e o património historico e natural de Sintra e do nosso país.

ler mais
Publicado a 12 Dec. 2016, em Associação Amigos de Monserrate

O jardim que o pensamento permite

Poema de Maria Gabriela Llansol
Herbais, 20 de Outubro de 1980
A felicidade deve estar imanente no tempo. O tempo, em si mesmo, deve ser feliz. Que dia estranho, em que julguei sentir-me uma página do tempo. Fui a um dos meus jardins e encontrei a lua cheia, como uma pessoa que eu desejasse ver. Devo ousar mais: a lua era um ser que eu desejava ver. Este meu jardim não tem muro, nem casas à volta, está disposto a crescer à medida que eu o atravessar, uma, duas, três, centenas de vezes.É um lugar?
ler mais